Roteiro Huaráz: Parte 2

8 de janeiro de 2018

Como eu tinha contado por aqui antes, a minha parte favorita de Huaráz foi a Laguna Parón, mas Huaráz ainda tá cheio de lugares maravilhosos que valem muito a pena incluir no seu roteiro ao Peru ;) 

Dia 2) Glaciar Pastoruri

Esse foi o dia mais sofrido em relação à altitude. O Glaciar Pastoruri fica a 5000m!!!! É muito alto e frio. Prepare seu casaco corta vento, suas roupas térmicas, touca, luva, cachecol e bora! O tour começa às 9h e antes de sair já tomei minha soroche pill e fizemos também uma parada para tomarmos um chá de coca (indispensável) e comprar folhas de coca para mascar. Paramos na Laguna de Patacocha, que é na entrada do Parque de Huáscaran, em um rio que possui água com gás (fica borbulhando, é sinistro), e tinha também alpacas para tirarmos foto, são muito fofas hihi


Paramos também para ver a laguna de 7 colores, mas estava nublado e só vi 2 (risos), mas conforme o sol bate dizem que você enxerga a água de diferentes cores. Nessa região também tem uma planta típica, a Puya Raimondi, ela chega a 10m e pode demorar de 80-150 anos para florescer. Quando ela envelhece ela "incinera" sozinha, é muito louco! Vimos restos das plantas que morreram e realmente parece que ela pega fogo. Todo o caminho para o glaciar é maravilhoso, as montanhas são muito grandes, por todos os lados, muitas ovelhas pelo caminho, é de tirar o fôlego. Esse dia é mais dinâmico porque fazemos várias paradas, fica mais interativo e legal. Ao longo do caminho você vai mascando a folha de coca, que ajuda em relação aos sintomas da altitude, afinal, toda ajuda é importante nesse dia!


Ao chegar você precisa caminhar 2km da entrada, onde fica a van, até o glaciar em si. É um caminhozinho estruturado, com algumas subidas, não é uma trilha. Parece pouco? Parece. É fácil? Nem um pouco. É uma moleeeza no corpo, um sono, uma canseira que só por Deus, viu. Além do frio, o vento doía!!! Parávamos para respirar a cada 2 minutos, beber água, comer alguma coisinha para dar energia. Demoramos cerca de 40 minutos para chegar. Quem quiser evitar a fadiga tem a opção de ir à cavalo, custava 50-60 soles, mas mesmo assim você tinha que andar uns 500m, pois o cavalo não chegava até o glaciar. Lá no final também tinha uma opção bem esquisita (e eu achei um absurdo), de ir nas costas de algum local (juro!!!!!!!!!!!!), por 20 soles. Eles carregavam as pessoas do ponto que o cavalo deixava, até o glaciar. Fui andando, pra deixar claro haha Quando chegamos estava nevando e foi a coisa mais linda e feliz!!!! É muito bonito, enorme e valeu à pena pela vista! Não deixem de ir, os guias locais dizem que é um lugar que não vai mais existir em 15 anos, todo esse gelo irá derreter :(


A volta até a van continua sendo cansativa e cuidado para não ir muito rápido também, senão você volta a passar mal. Dormi praticamente todo o caminho de volta e cheguei 100% em Huaraz. Comi a refeição mais barata da viagem: uma arepa + coca por 4 soles, estava delicioso haha nem dá para acreditar, né?

Farmácia (soroche pill)1,9
Chá de coca2
Folha de coca1
Almoço (frango a milanesa - dividi o prato)12
Stick de caminhada20
Mercado (água, chocolate, frutas secas)9
Jantar (arepa + coca)4
Passeio40
Total89,9

Dia 3) Laguna 69

A Laguna 69 é uma laguna que fica em cima de uma montanha, com um pico nevado atrás. Era a minha maior expectativa da viagem e foi o dia sofrência da vida haha o ônibus passa no hostel às 5h e vamos todos sonolentos e cochilando até a primeira parada que é uma lanchonete, boa para tomar um chá de coca, comer algo caso não tenha tomado café da manhã. Segunda parada: Laguna Llanganuco, lindíssima, com uma água que não dá para acreditar! 10 minutinhos para tirar fotos e só.


Mais um tempinho no ônibus e chegamos ao início da trilha umas 9:30. Importante e indispensável: leve sticks de caminhada, eles serão seus melhores amigos. Compramos em Huaraz mesmo, na Plaza de Armas, por 20 soles. Aqui no Brasil, na Decathlon, sai por uns 50 reais o mais baratinho. Outra dica: muita água, lanchinhos pro caminho e se vista em camadas, porque também é um misto de frio e calor, você vai tirar e colocar o casaco o tempo todo. É uma mistura louca de suor, frio e medo de ficar gripada que você não sabe o que fazer.

Vamos para o que interessa? Resumindo: são mais ou menos 16km em cerca de 7h de caminhada, de 4.000-4.600m de altitude. Seria tranquilo se não fosse a altitude. Todos falam que é um tour bem pesado e indicam você deixá-lo para o último dia na cidade, tanto por aclimatação quanto pelo cansaço mesmo. Falam também que a subida final é de matar! São várias empresas ao mesmo tempo fazendo esse passeio, então tem muita gente pelo caminho e o guia geralmente acompanha os últimos do grupo. O começo da trilha é bem tranquilo porque é plano, juro que cheguei até a pensar: nossa, vai ser mais fácil que eu estava imaginando, quem dera! Passamos por várias vaquinhas, atravessamos rios, vimos cachoeiras lindas, picos nevados e muuuita montanha.  É um caminho maravilhoso, digno de Senhor dos Anéis, incrível mesmo! Apesar disso praticamente não tirei fotos por motivos de: cansaço. Depois de andar bastante tempo em área plana você começa a subir e é bem cansativo por conta da altitude. Anda e para, anda e respira, anda e toma água, anda e come algo, o tempo todo. Mais ou menos uma hora em zig-zag até chagar uma parte plana novamente e você quase chora de emoção. Há uma laguna e muita gente para ali pra fazer uma pausa um pouco mais longa, comer algo para recuperar as energias, tirar fotos.


Nessa hora eu já estava exausta e só pensava: porque raios eu tô fazendo isso? Cadê esse inferno de laguna? Não tô preparada para a subida final. Falta quantas mil horas ainda? Andamos por um pasto bem grande até chegar a tão temida subida final. Foi difícil? Imagina, só pensei em desistir a cada 2 minutos, e teve gente que, de fato, desistiu. Eu era a última do meu grupo e queria chorar vendo todas as pessoas me ultrapassando. Parava toda hora, comecei a passal mal por conta da altitude, fiquei enjoada, queria vomitar e nada da laguna. Depois de muita subida, sofrência e falta de ar cheguei. FINALMENTE! Quase ouvia "weeeee are the champions my friend!" Confesso que eu estava tão cansada, enjoada e com frio que mal consegui tirar fotos e nem comemorar, só queria ficar parada um pouco e respirar. Gente, EU, Fernanda, passei muito mal. Eu sou bem sedentária, não faço nada e fui fazer essa trilha na sorte. Então não fiquem com tanto medo, nem todo mundo sofreu como eu. Vai que dá! A laguna é realmente linda, a cor da água é incrível e a montanha com neve atrás dá um charme especial. Como demorei pra chegar no topo, tive menos tempo lá em cima, logo tive que começar a descida. Temos um tempo limite para começar a voltar para o ônibus, senão vira festa também, né? As pessoas muito rápidas fazem em 2:30, as mais lentas (no caso, eu mesma), levam cerca de 3-3:30.


E aí são mais umas 3h de descida, dependendo do ritmo de cada um, pelo mesmo caminho que viemos. Pegamos um pouco de chuva, mas passou bem rápido. O começo é cansativo porque tinha muita pedra e dava bastante medo de escorregar (já disse que o stick é indispensável? Não vá sem!), o joelho dói, as costas também por conta da mochila. Minhas energias voltaram do além e desci relativamente rápido, sonhando com um banho e uma janta quentinha. O caminho é bem demarcado e na volta aproveitei mais a paisagem, linda demais! Entrar no ônibus foi engraçado, todos, absolutamente estavam mortos, jogados em suas poltronas, com bochechas vermelhas e cara de sono.

Valeu à pena? Sim, mas é muito cansativo, pelo menos pra mim, Miss Sedentária. Se quiserem subir sem essa minha sofrência, se preparem fisicamente de alguma forma antes da viagem! A Laguna é linda, o caminho todo é maravilhoso, mas a altitude realmente judia. E é muito de psicológico também, eu fui ficando pra trás do grupo, desmotivada, pensando em desistir e é horrível fazer algo assim... acho que um bom guia (no meu caso, o guia era péssimo), ajuda bastante. Se não está disposto a isso, foque na Laguna Parón ou alguma das outras que têm na região :)

Gastos do dia:

Café da manhã (banana e chá de coca)4
Jantar (arroz chaufa dividido por 3)6,66
Box lunch (maçã, água, bolacha e sanduiche)7
Passeio40
Total57,66

Dia 4) Chavin de Huantar

Quase desisti desse dia de tão cansada e com dor muscular que estava. Minha prima, de fato, desistiu e nem foi no tour, efeitos da Laguna 69. Enfim, dia de passeio cultural. Os chavins foram uma civilização pré-inca e fomos conhecer sua cidade e templo. O tour começou às 8:30 e, sendo sincera, não gostei. Na verdade deve ser um passeio incrível quando você pega um guia bom, afinal você precisa entender sobre as ruínas, o povo, a civilização e cultura da época. Se você pega um guia ruim, não entende nada e fica entediado... Tive azar de não pegar um bom guia e tive azar também de pegar obras na estrada, ficamos mais ou menos uma hora parados esperando pra conseguir seguir viagem, o que foi bem chato e cansativo.


Fizemos uma parada na Laguna Qerococha, bem bonita, tiramos algumas fotos e seguimos viagem. Chegamos ao sítio arqueológico e fomos andar pelas ruínas. Meu espanhol é horrível, mas eu até que entendo o que falam, mas nesse dia foi difícil e acabei perdendo muita informação. Mas resumindo: o povo chavin foi um dos mais importantes da época e visitamos o seu templo que demorou 700 anos para ser construído. As pedras eram esculpidas uma a uma, quadradas e empilhadas e organizadas estrategicamente pensando nas questões hídricas e térmicas do templo, uma loucura. Acho que com uma boa explicação você sai maravilhado do lugar, eu não saí, risos. Dica: leve comida, só fui almoçar por volta das 15:30, e o almoço não estava incluso. Comi um tallarin saltado e estava delicioso e era enorme, amei!


Depois do almoço passamos em um museu, onde vimos algumas esculturas e objetos utilizados pelo povo. É o dia que voltamos mais tarde, por volta das 20h. Outra dica: acho que o ideal seria fazer esse tour no primeiro dia, por conta da aclimatação e por não ser cansativo fisicamente.

Gastos do dia:

Entrada parque10
Almoço (tallarin saltado + coca)17
Museu7
Passeio40
Total74

Resumindo tudo...
Amei, amei, amei. O visual é incrível, a cidade é bem bonitinha, simples e acolhedora, gostei de tudo que comi e paguei muito barato também. O táxi na cidade é bem barato, cerca de 3-4 soles da Plaza de Armas até os lugares mais afastados da cidade.
Achei que ficaria mais cansada à noite, por conta das trilhas e altitude, mas como tudo é longe, você consegue dormir na van, e quando chega na cidade, tem pique pra andar pelo centro, procurar onde comer.
Não troquei dinheiro em Huaraz, porque tinham me dito que a cotação não era boa, mas na verdade, nem cheguei a ver quanto estava, sorry guys :(

Gasto total em Huaraz, com as passagens de ônibus, em soles:

Dia 194
Dia 289,9
Dia 357,66
Dia 474
Ônibus Lima-Huaraz40
Ônibus Huaraz-Lima85
Hostel100
Total:540,56

Cotação mais ou menos de 1/1 entre real e soles.

E aí, gente! O que acharam? :)


Posts similares

comentários

  1. Que lugar lindo! Não conhecia e achei as fotos incriveis

    Big Beijos,
    LULU ON THE SKY

    ResponderExcluir
  2. Gente, que completo esse roteiro, com todos os preços e dicas! Ficou super informativo e gostoso de ler. Nossa, imagino as dificuldades que você passou e ainda mais com a questão da altitude e tal. Que loucura essa planta que incinera sozinha, muito curioso. E também achei absurdo os locais serem ofertados pra carregar as pessoas, no mínimo horrível, né? As suas fotos ficaram sensacionais, que lugar incrível.


    Beijos
    Brilho de Aluguel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Thayse! Obrigada pelo feedback :) fico feliz por ter gostado!!
      Nossa, e pior que tinha gente que estava pagando pra ser carregada!!! Um absurdo, se acha que nao vai consegur, não vá, né? haha

      beijos!

      Excluir
  3. Que viagem incrível e que lugar lindo. Meu sonho conhecer o Peru
    Charme-se

    ResponderExcluir
  4. Adoro seus posts Fernanda, te acho tão corajosa!

    Menina esse lago é azul/esverdeado assim mesmo na foto? Que incrível!

    Ai e essas alpacas são uma gracinha ♥ mas e essa planta Puya Raimondi?! Que loucura! Ela pega fogo sozinha? rs

    Bjaoo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Claudia!
      Juro que o lago é dessa cor, coisa mais linda!!!!!! Nem precisa de edição!

      Alpacas são puro amor, muito fofas mesmo! <3

      Excluir
  5. que lugar lindo, tô babando pelas suas fotos! ♥

    ResponderExcluir
  6. Eu também estava BEM sedentária na época que fui fazer a Trilha Inca e achei que não ia conseguir. Hahaha! Mas, se eu consegui, qualquer um consegue. :)

    Lindas as fotos, Huaráz me pareceu ser um encanto. O Peru é mesmo cheio de tesouros escondidos. <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi camila!
      Quem sabe você volta pra conhecer Huaraz, né? É a coisa mais linda!

      Excluir
  7. É o tipo de viagem que exige preparo físico, né? A laguna 69 deve ser incrível ao vivo!

    ResponderExcluir